Responsive Ad Slot



ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWS

CRÍTICAS

CRÍTICAS

FILMES

FILMES

SÉRIES

SÉRIES

GAMES

GAMES

ANIMES

ANIMES
Smiley face

TRAILERS

TRAILERS

ARTISTS ALLEY

ARTISTS ALLEY

PREMIAÇÕES

Personagens do filme “Entre Facas e Segredos” ganham cartazes individuais

Nenhum comentário

ESTRELADO POR CHRIS EVANS, DANIEL CRAIG E ANA DE ARMAS, LONGA CHEGA AOS CINEMAS BRASILEIROS EM NOVEMBRO.

Inspirado pela escritora britânica Agatha Christie, o cineasta Rian Johnson (de “Star Wars: Os Últimos Jedi”) assina a direção e o roteiro do suspense “Entre Facas e Segredos” (Knives Out), lançamento estrelado por Chris Evans, Daniel Craig e Ana de Armas. Com estreia nacional agendada para 05 de dezembro, o diretor Rian Johnson divulgou hoje, em sua conta no Twitter, vibrantes cartazes individuais apresentando os personagens da trama. Em comum, todos são suspeitos e alvos de uma importante investigação. Para baixar os materiais já nacionalizados:

  1. GALERIA
Entre Facas e Segredos

A produção gira em torno de uma família excêntrica, rodeada de mistérios. Um assassinato foi cometido na mansão da família, durante a celebração do aniversário de 85 anos do patriarca (Christopher Plummer). Os cartazes do lançamento revelam as características individuais de cada membro do clã, além dos investigadores.

Durante a festa de aniversário, o patriarca morre de forma enigmática e um detetive é acionado. Enquanto isso, todos os possíveis suspeitos estão em prisão domiciliar e, naturalmente, o caos se instala. Nessa produção, o público terá a oportunidade de conferir as estrelas mais aclamadas do gênero de ação, encarando personagens desafiadores, com figurinos completamente distintos dos habituais trajes de super-heróis e agente secreto.

O elenco ainda reúne Lakeith Stanfield (de “Corra!”), Katherine Langford (de “13 Reasons Why”), Michael Shannon (de “A Forma da Água”), o vencedor do Oscar Christopher Plummer (por “Todo o Dinheiro do Mundo" e “Toda Forma de Amor") e o indicado ao Oscar Toni Collette (de "O Sexto Sentido").

No Brasil, a produção tem distribuição nacional Paris Filmes.

  1. trailer

Cearense com gosto de gás! CEO do Callango Nerd, cinéfilo, crítico, redator, desenhista, designer gráfico, professor de Cearensês e Mestre Jedi na arte de fazer piada ruim.


NETFLIX | Cavaleiros do Zodíaco a Saga de Hades está disponível no catálogo

Nenhum comentário

A franquia CDZ continua crescendo na Netflix.  Após a adição de Lost Canvas e a nova animação baseada no clássico (que ficou mais fraco que caldo de bila), agora temos a Saga de Hades, com os três capítulos: Santuário, Inferno e Elísios.

Todos os 31 episódios, originalmente produzidos entre 2002 e 2008 no Japão, já podem ser encontrado no catálogo do serviço streaming, com dublagem clássica em português e também áudio original em japonês.

Como a Netflix está com gosto de CDZ, poderiam financiar a continuação de Losta Canvas. #ficaadica


Cearense com gosto de gás! CEO do Callango Nerd, cinéfilo, crítico, redator, desenhista, designer gráfico, professor de Cearensês e Mestre Jedi na arte de fazer piada ruim.


MORTAL KOMBAT | Reboot tem filmagens iniciadas

Nenhum comentário

Começaram as filmagens do reboot Mortal Kombat. A noticia foi dada por Greg Russo, via twitter com a legenda:

Que os Deuses Anciões cuidem de nós!

O elenco conta com Joe Taslim (Sub Zero), Ludi Lin (Liu kang), Jessica McNamee (Sonya Blade), Mehcad Brroks (Jax) Josh Lawson (Kano), Chin Han (Shang Tsung), Hiroyuki Sanada (Scorpion), Tadanobu Asano (Raiden), Sisi Stringer (Mileena) e Lewis Tan, ainda sem personagem definido.

Sob o comando de Simon McQuoid e produção de James Wan, Mortal Kombat tem lançamento marcado para o dia 5 de março de 2021.

Cearense com gosto de gás! CEO do Callango Nerd, cinéfilo, crítico, redator, desenhista, designer gráfico, professor de Cearensês e Mestre Jedi na arte de fazer piada ruim.


ERA UMA VEZ EM HOLLYWOOD | É bom mesmo?

Nenhum comentário

Madureza. Se alguém me pergunta sobre o que achei do nono filme do diretor Quentin Tarantino só posso dizer que percebi inequivocamente um teor de madureza na forma de direção e na narrativa desta obra.

Se você ainda não viu o filme, sinto lhe informar que lá vão spoilers como uma rajada de violência numa cena de Tarantino.

O filme nos traz o período de 1969 numa Los Angeles linda e ensolarada como pano de fundo para a narrativa em três núcleos, que são a carreira do ator decadente especializado em filmes de Faroeste Rick Dalton (Leonardo Dicaprio), seu dublê e melhor amigo Cliff Booth (Brad Pitt) e a linda atriz Sharon Tate (Margot Robbie).

A estrutura narrativa busca uma alternância na desconstrução do sonho hollywoodiano de trazer a magia da sétima arte para o mundo doloroso da nossa realidade. As personagens carregam suas angústias e motivações bem claras, diria que um pouco palpitantes, enquanto enredam cenas repletas de referências e autorreferências que Tarantino utiliza num saudosismo evidente a uma fase atraente de Hollywood.

Neste ponto vale a pena ressaltar a direção de arte e fotografia que levam o espectador para aquele ano de 1969 nos grandes estúdios de cinema. Estão excelentes estes trabalhos.

Mas voltemos às personagens. Rick Dalton é o ator que já fez sucesso como galã de filmes de Cowboy, mas agora só lhe restam participações como vilão num nicho de filmes que vai perdendo espaço a cada dia. Para Dicaprio ficam as cenas cômicas e sensíveis de metalinguagem sobre a via crucis da profissão do ator e a complexidade de sua arte.

Cliff Booth é o símbolo da virilidade e nobreza, vivendo contradições de um personagem sem rumo, belo demais para ser um dublê, talentoso demais para não se intimidar com situações ou pessoas. Traz em si um ar solícito e um sorriso calmo, mas que esconde um espírito cheio de atitude e violência quando necessário. Bem evidenciado pelo carinho e disciplina que trata sua cadela Pit Bull Brandy. Pitt vem com seu carisma costumeiro em diversos momentos, marcando o maior ponto na cena mais violenta do filme quando mata os jovens pretendentes a psicopatas.

Sharon Tate é uma personagem que representa o fetiche de Tarantino pelas beldades das telonas, ao mesmo tempo em que é o mote para trabalhar o contexto de um dos homicídios mais chocantes de Hollywood. A câmera explora a beleza do corpo de Margot Robbie em diversos momentos enquanto sua personagem busca o reconhecimento de seu público. Se Cliff representa o ideal masculino, esta personagem encarna o ideal de beleza feminina e objeto de desejo de alguns espectadores. Mesmo assim emite com sutileza sinais de humanidade e a paixão inocente pelo cinema.

Nada estranho então falar de um elenco de ponta nos filmes do Tarantino, afinal o diretor chegou ao patamar de apresentar projetos de filmes e ter uma fila de estrelas pedindo a oportunidade de trabalhar com ele. O que só aumenta a qualidade do trabalho.

Mas voltemos ao diálogo de Tarantino com sua obra. Como falei no início Tarantino parece estar com um trabalho mais maduro, na forma clássica, se é que me fiz entender. Ele sai dos exageros costumeiros de cenas pouco verossímeis como fez em outros filmes, e trouxe a tona sua genialidade, e trata este longa quase como uma homenagem ao que ele mais amava em Hollywood numa narrativa que expressa o que ele pensa de arte, ao mesmo tempo em que intima o espectador a dialogar sobre isso.

Não deixou de ser o velho excessivo e surpreendente Tarantino. Os signos ainda estão lá: Os diálogos intimistas e longos que trazem metáforas surreais, o jogo de cenas com estilos de cinemas diferentes, a sensualidade latente de algum personagem, o eclipsar com cenas de extrema violência desmedida. Você não pode esperar menos dele.

Mas o fato é que ele traz uma proposta claramente mais crítica com o papel da arte. Além de dar um novo rumo ao horrendo assassinato de Sharon Tate que foi assassinada grávida pelo Culto liderado por Charles Manson em 1969, Tarantino a salva evitando um ar de “Happy End”, mas meio que nos dizendo: “poderia ser assim, saca?” Tudo isso sem perder sua maestria.

Destarte, isso é um filme confessional de desconstrução de um diretor sobre si mesmo, sobre o cinema, sobre a fantasia, sobre sonhos e sobre o que você achava de tudo isso. Até de que Bruce Lee era insuperável. Levou uma surra de Cliff e foi fantástico. Obrigado pelas quase 3 horas de filme, Quentin.

  1. Ficha técnica
Título original: Once Upon a Time In Hollywood
Duração: 2h 41min
Direção: Quentin Tarantino
Elenco: Leonardo DiCaprio, Brad Pitt, Margot Robbie
Gêneros: Drama, Comédia
Nacionalidade: EUA
Distribuição: Sony Pictures
Ano: 2019

  1. Trailer

Memezeiro, escritor, pai e amigo de um magote de fuleiro. CEO do EagoraCast Podcast, parceiro Callango Nerd.


© all rights reserved
By templateszoo and Callango Nerd