Resenha | Divertidamente 2


"Divertidamente 2" ou Inside Out (De Dentro Pra Fora) expande de maneira criativa e sensível o universo emocional introduzido pelo primeiro filme. A Pixar, renomada por sua habilidade em combinar animação de alta qualidade com narrativas profundas, mais uma vez entrega uma obra que cativa tanto o público infantil quanto o adulto.

A história ocorre alguns anos após os eventos do primeiro filme, com Riley agora enfrentando as complexidades da adolescência. O destaque vai para a introdução de novas emoções, como Insegurança e Curiosidade, que se juntam a Alegria, Tristeza, Raiva, Medo e Nojinho na Sala de Comando. A dinâmica entre as emoções adquire novas camadas, refletindo as mudanças internas de Riley enquanto ela lida com pressões sociais, mudanças físicas e autoconhecimento.

A narrativa aborda temas delicados como saúde mental, busca por identidade e as dificuldades do crescimento. Já a representação das emoções continua sendo um ponto forte, com momentos que vão do humor leve a cenas profundamente emocionantes. A interação entre as novas e antigas emoções é tratada com uma delicadeza que só a Pixar parece dominar, equilibrando lições de vida com entretenimento.

Pete Docter, na direção, e Meg LeFauve, no roteiro, criam uma sequência que, embora não tenha o mesmo impacto inovador do primeiro filme, se sustenta como uma peça significativa. A profundidade dos diálogos e a complexidade dos personagens refletem um amadurecimento na abordagem do tema, acompanhando a própria jornada de Riley. A trilha sonora de Michael Giacchino, com sua habilidade de amplificar as emoções em cena, novamente se destaca, proporcionando uma experiência auditiva que complementa a visual.

Visualmente, "Divertidamente 2" é um banquete para os olhos. A animação é impecável, com cores vibrantes e detalhes minuciosos que dão vida à mente de Riley. Os novos cenários e a expansão do mundo mental são criativos e bem construídos, proporcionando uma sensação de exploração e descoberta que mantém o público engajado.

Em termos de impacto emocional, o filme continua a tradição da Pixar de criar momentos tocantes que ressoam com espectadores de todas as idades. As situações enfrentadas por Riley são universais e tratadas com uma honestidade que facilita a identificação, como uma Síndrome do Pânico vivida pela personagem e que retrata uma realidade vivida pelos jovens de hoje.

"Divertidamente 2" é mais do que uma sequência; é uma evolução natural da história e dos personagens. A profundidade emocional e a qualidade da animação fazem deste filme uma experiência cinematográfica gratificante, reafirmando a posição da Pixar como mestre na arte de contar histórias que são, tanto divertidas quanto profundamente significativas.



0 Comentários