-->

Theme Layout

Theme Translation

Trending Posts Display

Home Layout Display

Posts Title Display

404

We Are Sorry, Page Not Found

Home Page

Mais do mesmo com toque de James Cameron?
Depois de muita expectativa e estardalhaço da mídia geek dizendo que a franquia distópica mais conhecida do cinema sobre um futuro pós-apocalíptico contra as máquinas teria uma nova guinada, eis que nos chega algo tipo assim, bonzinho.
Estou falando de Exterminador do Futuro: Destino Sombrio, dirigido por Tim Miller (Deadpool), roteiro de David GoyesJustin Rhodes e Billy Ray e co-produzido pelo próprio James Cameron, diretor dos primeiros filmes da franquia, além de vários outros grandes sucessos de bilheteria e premiações.
Mas por que tanta expectativa mesmo? Ora, ora, porque quando James Cameron diz que vai voltar a um projeto que tinha vendido os direitos e diz que você expectador, deve esquecer dos outros filmes da franquia, é porque pode esperar uma surpresa das grandes ao nível James Cameron. Afinal ele disse que esta seria a verdadeira trama na sequência de Exterminador do Futuro II: O Julgamento Final.

Entretanto, contudo e todavia, acabamos por ver um thriller ritmado entre cenas de ação de tirar o fôlego e cenas de costura de roteiro com lindas mensagens motivacionais. Roteiro não estava com essas surpresas mirabolantes todas. Ou seja, não era a última Cajuína gelada no deserto.
Mas vamos analisar alguns pontos interessantes do filme.
PONTOS NEGATIVOS
– Desconfiguração do potencial de John Connor: O plot de chacinas, tiroteios e perseguições do segundo filme da franquia era salvar a vida do garoto John Connor de um T-1000 (um dos vilões mais fodas do cinema). Em Destino Sombrio John Connor já papoca nos primeiros minutos de tela. Hasta La vista, Baby.
– Redefinir não é o mesmo que inovar: Perceba caro leitor que não critico o excelente trabalho de Cameron na construção de novos mundos ficcionais e roteiros incríveis. Mas quando você vai tentar redefinir uma franquia que já foi jogada de um lado para outro durante uns vinte anos, não pode esperar inventar a roda e lacrar no rolê só porque foi você que inventou a brincadeira. Em suma, a essência da trama já foi incansavelmente explorada, não prometa surpresas.
– Atuações fraquinhas: Daniella Ramos vivida pela atriz Natalia Reyes não está muito convincente, você não consegue imaginar, nem na cena que mostra um pouco disso, essa mulher liderar a rebelião humana. A humana alterada Grace, vivida por Mackenzie Davis, não está tão ruim, mas não vai ganhar nenhum Oscar. Quanto ao novo exterminador modelo REV-9 do ator Gabriel Luna, ele tenta, mas tentar tirar o posto de Robert Patrick caçando como T-1000 é covardia.
– Ritmo previsível das cenas tiram a surpresa: Depois de meia hora de filmes você já fica sabendo em que momento o novo Exterminador vai atacar e quanto tempo os mocinhos terão para resolver desavenças. Muito CGI em algumas cenas tornam irreais como a cena do avião.
– Suspense desnecessário em revelar algumas informações: Não consegui engolir aquela desculpa esfarrapada da Grace em não contar sobre o futuro logo.
PONTOS POSITIVOS
– Fan Service pra Chuchu: Shwarza está lá como T-800 e dessa vez com uma treta sinistra com a incrível Linda Hamilton vivendo novamente Sarah Connor depois de mais de 20 anos. Saudosismo e torcida animada para que ela não morra e ele só seja destruído com uma daquelas cenas dramáticas e vibrantes.
– Cenas de ação/perseguição para te prender na poltrona: O diretor honrou a sequência do segundo filme da franquia e nos deu cenas explosivas e interessantes.
– We Can Do It!: Exploração de papéis com feminilidades diferentes, onde mulheres não são apenas úteros ambulantes que podem gerar novos homens líderes, mas agora elas são as líderes e as protetoras alteradas tecnologicamente ou com vasta experiência em combate e inteligência militar.
– Mensagens sutis e mensagens diretas: O roteiro nos traz uma mensagem motivacional de que qualquer pessoa pode se tornar um John Connor quando for preciso, para ajudar o outro. Destino é algo a ser construído pelas nossas escolhas e que a cada nova mudança de ação estamos mudando as probabilidades para o futuro. Exemplo é de que Skynet não existe mais, agora os humanos terão que enfrentar um conjunto de IA’s(Inteligências Artificiais) chamado “Legião”, criadas pelo mesmo motivo: aperfeiçoamento militar.
Concluo esta crítica dizendo que não é um filme tão ruim, apesar de ser aquém do que esperávamos no quesito roteiro, mas na ação, a mão de James Cameron ainda está lá presente, lhe convidando a pensar nas diversas possibilidades de futuros sombrios repletos de Exterminadores.
  1. trailer

  1. ficha técnica
Título original Terminator: Dark Fate
Distribuidor Fox Film do Brasil
Data de lançamento 31 de outubro de 2019 (2h 09min)
Direção: Tim Miller
Elenco: Arnold Schwarzenegger, Linda Hamilton, Mackenzie Davis
Gêneros Ação, Ficção científica
Nacionalidade EUA
Ano de produção 2019


Memezeiro, escritor, pai e amigo de um magote de fuleiro. CEO do EagoraCast Podcast, parceiro Callango Nerd.


Comente